NOTÍCIAS
Kampag é premiada na Suécia por desenvolver tecnologia para o agro

Desenvolvedora de tecnologias para equipamentos agrícolas, Kampag, de Horizontina, ficou entre as quatro finalistas em prêmio em Estocolomo na Suécia, que reconhece avanços em engenharia, cooperação e aço.

A empresa, que está se instalando em Três de Maio, conseguiu aumentar a produtividade da soja ao ajustar o design de colheitadeiras para um manuseio mais delicado da colheita. Equipada com um módulo de alimentação, a colheitadeira provoca menos danos aos grãos colhidos, além de ter a disponibilidade aumentada em condições de alta umidade.

“A empresa obteve benefícios adicionais de produtividade e sustentabilidade ao passar a utilizar os aços de alta resistência e resistentes ao desgaste, tais como uma maior vida útil, menor peso e produção mais enxuta, além de processos de manutenção com economia de energia”, justificou o júri do prêmio.

Ao contrário dos modelos tradicionais, o implemento tem lâminas compostas de aço resistente, com orientação espiral para coletar soja, arroz, milho, trigo e feijão, resultando em fluxo contínuo.

— Eles causavam interrupções que danificavam os grãos. Então, tentamos projetar o novo modelo mudando o formato das lâminas responsáveis por alimentar a máquina — explica Vanderlei Kamphorst, diretor-executivo da empresa, ressaltando que foram vendidas cerca de 7 mil unidades no país.

O prêmio Swedish Steel Prize 2019 é realizado pela multinacional sueca SSAB, uma das líderes mundiais na fabricação e comercialização de aços de alta resistência. Como ocorre em todas as edições, os finalistas do Swedish Steel Prize apresentam conceitos revolucionários de design que exploram as características de aços Premium da linha de produtos da siderúrgica SSAB.

Além da Kampag, também participaram da etapa final do prêmio, a Austin Engineering, da Austrália, que inovou em termos de design e manutenção de caçambas de escavação, a Roofit.solar, da Estônia, fabricante de inovadores telhados solares de metal que produzem eletricidade, e a Shape, dos EUA, que desenvolveu um processo mais robusto e econômico de fabricação de tubos em formato 3D